O que está debaixo dos seus pés?

 Image

Nestes tempos de guerra eu aprendi na pele o sentido de “estar firmado na rocha”.

Quando as tempestades vêm sobre uma casa, seu teto, janelas, portas e telhas podem até voar para outro lugar, mas você perceberá que suas colunas estarão firmes em seus alicerces bem firmados.

Alicerce é aquilo que sustenta e firma uma casa.

E a bíblia diz que o alicerce já está posto: Jesus Cristo. E nenhum outro pode ser colocado. 1Co 3.11

O discípulo que construiu um relacionamento íntimo com Cristo será aquele que irá obedecer à Sua vontade e esse relacionamento será a sua edificação sobre Cristo. Nenhum filho íntimo vive em rebeldia. E todo filho íntimo conhece o seu pai. Este filho possui seus alicerces fundados sobre a Rocha (Cristo).

As tempestades sempre vão vir mescladas de diversas formas e em diferentes intensidades para uns e para outros, pois nada acontece na vida de alguém que não seja permissão de Deus ou que esteja além do que aquela pessoa possa suportar. Lei espiritual.

Certo é que as ondas bravias virão e ventos impetuosos sobrevirão sobre a casa (eu, você, nós) com o certeiro fim de abalá-la e destruí-la.

Mas quem tem uma vida, uma caminhada de comunhão com o Pai não terá seus alicerces destruídos (porque Cristo, nosso alicerce, não pode ser destruído).

Você pode olhar para a minha vida e me ver abatida, mas não destruída. Triste, mas sorrindo. Em luta e afronta, mas não em derrota. Ferida, sim, muitas vezes, mas não em coma espiritual.

Ventos, tempestades, ondas podem levar da minha vida, por um curto período de tempo, o que quiserem. Mas não podem separar o amor de Cristo em mim e por mim.

Do mesmo jeito é em sua vida, se você tiver um relacionamento com Ele.

Pensar em desistir, todos pensam. Mas a fé é um fogo que sempre ressurge mais forte que a frieza da vida.

Que o Espírito Santo continue aquecendo e fortalecendo a fé dos que esperam em Jesus Cristo!

Deus é conosco, e Ele é FIEL para nos guardar nos dias de guerras, friezas, tentações, provações, perseguições, afrontas… Ele é o Justo Juiz, Ele é tudo o que precisamos.

Amém! Confie e creia!

CategoriasDevocional

Incondicional

ImagemRecentemente andei refletindo…

Em como tudo na vida passa… E em como, por melhores que sejamos, nem sempre seremos reconhecidos. A praxe dessa vida cotidiana, na verdade, é desaperceber-se.

Queremos tanto ser percebidos, reconhecidos, amados, valorizados… E esquecemos de nos amar, de nos valorizar, de reconhecer as nossas qualidades, estas despercebidas.

O mundo e as pessoas ao redor vão fazer questão de focar no que falta. E, muitas vezes, não o que falta neles, mas no que falta em você. Eles vão fazer, na maioria das vezes, questão de “jogar na sua cara” o quão desajeitado, defeituoso, errado e despreparado você é.

E, acredite: alguns deles se sentirão muito bem com isso. Em dizer o quão ruim você é em determinada coisa, somente para terem o gosto de “estarem por cima”. Já outras pessoas jogarão seus defeitos na sua cara por serem críticas por natureza, ou mesmo perfeccionistas (influenciadas por este mundo competitivo, onde só vale alguma coisa quem “mostra resultado” – em outras palavras, só é bom aquilo que é útil e, não só útil, mas excelente).

E ainda se perguntam: “Por que a sociedade atual é a sociedade mais entretida e ao mesmo tempo a mais depressiva?”

E a resposta é simplesmente esta: Porque gostaríamos, no fundo, de termos valor simplesmente por sermos humanos, por sermos pessoas, por existirmos e não somente porque servimos para algo ou porque somos “bons” ou “melhores” nisto ou naquilo.

E é por isso que a cada dia que passa tanto eu quanto muitos (senão todos) estamos cada vez mais necessitados do amor verdadeiro, incondicional e perpétuo de Deus.

Ele não nos ama pelo o que fizemos por Ele, mas pelo o que Ele fez por nós na Cruz do Calvário. Ele não nos quer somente porque seremos “instrumentos” para Ele em Seu Reino, ele nos quer porque Ele nos chama de Filhos. Ser filho de Deus vem antes de ser servo.

Ele nos chamou para sermos sua imagem e semelhança, para andarmos em comunhão com ele.

Deus não sobrecarrega ninguém, não coloca fardos em cima das pessoas… Pelo contrário, Ele disse: “Vinde a mim, todos vós, que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei. Aprendei de mim, pois sou manso e humilde de coração. O meu jugo é suave e o meu fardo é leve…”.

O que vejo é a religiosidade e a competitividade capitalista entrando nas Igrejas e almas sobrecarregadas tentando mostrar, em resultados, o próprio valor, a própria importância. E vejo muita vaidade nos que alcançam bons resultados.

Mal sabem eles que o valor deles já foi posto pelo Altíssimo: O sangue de Jesus. Mal sabem os “super espirituais” que eles só fazem o que fazem se estiverem na completa dependência de Deus, e se o fim do seu serviço for glorificar Aquele que os chamou, e se a finalidade for servir o próximo.

O contrário disso é competitividade, vaidade, soberba e egoísmo (coisas incompatíveis com o Evangelho de Jesus Cristo).

Nunca duvide do seu valor como pessoa. Deus te amou e te chamou quando ninguém te dava sequer qualquer valor… Deus te escolheu quando ninguém acreditou em você.

Quando você veio ao Pai você estava com as mãos vazias… E ele te encheu. Encheu de paz, de amor, de cuidado, de carinho, de alegria, dos frutos do Espírito. Ele não precisa de nada de nenhum ser humano, pois ele é Possuidor de TODAS AS COISAS.

Sem Ele nada podeis fazer… Acredite no amor que foi capaz de se entregar a si mesmo em um madeiro para te fazer PLENO e FELIZ. Acredite no amor incondicional de DEUS pela sua vida e saiba que todos os frutos que você quer entregar a Ele nascerão, mas no tempo certo e na hora certa.

Tão somente aceite, sem duvidar ou questionar, esse amor incondicional do Pai pela sua vida. Você não vale o que você faz ou produz. Você vale o sangue de Jesus.

Graça e Paz!

CategoriasNotícias

Reformista Moderno e Bíblico – Paul Washer

Olá adoradores sem limite!

É com imensa alegria que gostaria de compartilhar com vocês um vídeo do Missionário americano Paul Washer, considerado um dos maiores reformistas protestantes da atualidade! Suas afirmações no video abaixo são consideradas, para alguns estudiosos da Nova Reforma, similares às 95 súmulas de Lutero.

Vejam e apreciem!

A paz do Senhor!

CategoriasDevocional, Reflexão

A sós com Deus – O Verdadeiro sentido da vida Cristã


Olá adoradores sem limite!

Vim aqui compartilhar com vocês algo que Deus tem colocado em meu coração nesses dias. É necessário um grande despertamento na Igreja do Senhor Jesus nesses últimos tempos para algo muito simples, vamos lá?

Tudo em nossa vida precisa da busca pelo Sentido.

Nossa existência é marcada por tendências, modos de viver, ambições, metas, objetivos e muitas vezes esquecemos da essência do nosso viver aqui nesta Terra.

Por causa desse esquecimento, muitas pessoas têm invertido valores e hábitos, colocando a meta na frente da motivação e o objetivo na frente da finalidade em seu proceder perante a vida.

E muitas pessoas ignoram ou fingem ignorar o incômodo que essa inversão de prioridades faz não somente com o nosso físico ( o qual, através do cansaço, fadiga, doenças psicossomáticas, etc, tenta nos alertar), mas principalmente com a nossa alma, a qual está ligada diretamente com a nossa vontade, com nossos sentidos,consciência.

Quando nos deparamos algumas ou na maioria das vezes com desânimo, falta de perspectiva, estresse, ansiedade, entre outros, são os sintomas que nosso corpo como um todo tenta nos comunicar de que algo está errado.

Contudo, este fenômeno não ocorre somente com nossa vida cotidiana, ela também acontece com a nossa vida Cristã. Vivemos uma época em que a Parábola do Semeador pode ser usada em nossos dias para descrever o Século que vivemos.

Veja:

Parábola do Semeador

“E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda; Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.”  (Mt 13:5,7)

              Qual a interpretação que nosso Mestre nos dá acerca desta Parábola? Ele diz:

“O que foi semeado em pedregais é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria; mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração; e, chegada a angústia e a perseguição, por causa da palavra, logo seofende; E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera. (MT 13:20,21).”

Esta parábola nos mostra que Jesus usou a simbologia “pedra” e “espinho” para descrever como as circunstâncias externas dessas pessoas descritas em sua Parábola sufocaram a Fé delas. Pelo motivo de que elas colocaram a angústia, a perseguição, os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas ficarem na frente da sua Fé e da sua Salvação.

 Se a motivação vem antes da meta, qual a inversão que houve com as pessoas que são comparadas à terra com pedras?

Elas colocaram a opinião dos ímpios, manifestada através da perseguição, a qual trouxe a angústia, ficasse na frente da opinião de Deus a respeito dela e da conduta dela!

Igualmente, as pessoas comparadas à terra com espinhos colocaram esta vida terrena na frente da Vida Eterna.

Todavia, paremos para refletir o por quê dessa inversão de prioridades.

Por que?

É porque essas pessoas não passaram tempos, não dedicaram horas a sós com Deus.

Perceba que estas pessoas, quando ouviram a voz de Deus receberam com alegria a Fé, as suas Promessas. Aos poucos, no entanto, foram deixando que outras vozes falassem mais alto e por isso inclinaram-se para o abandono da fé!

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que diz o Espírito de Deus às Igrejas:

“Oh, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do SENHOR que nos criou.”( Salmos 95:6)

O Filho de Deus, imaculado, santo, justo, passava horas diante do Pai e, mesmo passando 40 dias e 40 noites de jejum total, em meio à tentação de transformar pedras em pães, disse:

Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. (Mt 4:4)

Ora, se Ele que tem em si mesmo a plena natureza do Pai, passava horas com Ele no Monte, sozinho, de madrugada, porque nós, simples seres humanos, achamos que uma ou duas horas de jejum e oração é o suficiente?

A nossa geração é uma geração que inverteu os valores e que não observa a conduta dos Apóstolos e dos Profetas, cujas vidas estão testemunhadas na Sagrada Escritura:

“Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta,olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.” (Hb 12:1,4)

“Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.” (Hb 13:7)

Existem Cristãos contemporâneos, missionários, evangelistas e cristãos anônimos, intercessores, que não conhecemos, que enfrentam ameaças de morte, agressões verbais e físicas ao redor do mundo, mas a fé deles está inabalável. Porque eles passam tempos a sós com Jesus. Porque não deixaram de olhar para o Autor e o Consumador da verdadeira Fé.

Lembremos da vida de Moisés, que se achava incapaz de ter com o Faraó em nome de Deus, para libertar o povo de Israel! Quando a voz de Deus falou com ele, então ele foi e todas as palavras que Deus disse se cumpriram nele e através da vida dele. Recordemo-nos de Enoque (que andou com Deus e este o arrebatou para si), Noé, Josué,Abraão, Sara, Isaac, Jacó, José, Raab (ancestral de Jesus), Davi, Samuel, Paulo, Pedro, Tiago, João, Judas (não o Iscariotes), Filipe, Barnabé, Timóteo, Maria (mãe de Jesus na Terra), Maria e Marta (as irmãs que seguiam Jesus), Maria Madalena, etc!

Sigamos o exemplo deles! Desfrutemos da doce presença de Jesus Cristo, Igreja! E reflitamos essa glória em nossas faces, a qual não se apaga, mas é continuamente acesa através do Espírito Santo, para que todo aquele que o vê em nossas vidas seja salvo. Mas, principalmente, nós sejamos salvos naquele dia.

Abraços, que Deus nos coloque de volta (e sempre) no centro da Sua vontade!

CategoriasDevocional, Reflexão

Convite de Deus

Deus nos chama a um nível de intimidade maior com Ele.

Observe a situação do Pai do filho pródigo. O filho mais novo dele pede antecipadamente a sua herança e apressa-se para sair da casa de seu pai. Este, experiente das coisas da vida, sabe o que sucederá com seu filho e que o mundo fora de casa não é nem um pouco acolhedor nem amigável e sim interesseiro, cruel. Este pai vê o seu filho partir e, mesmo tendo autoridade como pai de impedir seu filho de ter sua herança e ir embora, deixa a escolha por conta de seu filho.

Este pai não desiste de seu filho e, todas as vezes, ele ia à entrada de sua casa para ver se avistava a volta desse filho, ansiosamente. Mas esse filho parecia nunca chegar. E o coração desse pai estava aflito, sem saber o que estaria acontecendo com seu filho, e ao mesmo tempo cheio de vontade de que esse filho voltasse à sua presença, de onde ele nunca deveria ter saído. Seu pai sabia que esse filho, se fosse perguntado como estava, responderia que não há lugar melhor que nas farras, nas festas, com os amigos e vida fácil, de prostituição e ganância. Aquilo tudo para ele é novo e excitante. Porém seu pai sabia onde esse caminho leva, pois o mundo só se diverte com a pessoa e deixa também que ela se aventure até que isso seja proveitoso para o próprio mundo.

Quando essa aventura acaba, o mundo simplesmente joga fora o “brinquedo” com que ele costumava se divertir. E aquele pai sabia de todas essas coisas. E porque, então, ele permitiu que seu filho partisse? Porque esse pai deixa o livre-arbítrio para os seus filhos, e a escolha e a responsabilidade de seus atos também.

O filho pródigo nunca esteve preso à vontade de seu pai, mas sim estava protegido pelos seus cuidados. Esse filho não é uma máquina onde se pode programar os seus desejos, ele é um ser autêntico, capaz de saber o que quer e o que não quer para si. Ele tem o poder da decisão.

Com certeza esse pai advertiu a seu filho do que significa aventurar-se pelo mundo. Contudo, esse filho disse que cansou daquela vida, ele queria algo novo, diferente, para ser feliz. E, respeitando o direito de escolha de seu filho, esse pai permitiu. Mas nunca perdeu a esperança de que ele voltasse para casa.

Esse pai colocou no coração que, não importa como esse filho voltasse, ele o receberia de volta. Mas este filho pródigo só lembrou da casa de seu pai quando foi obrigado a comer comida de porcos! Recordou-se de que até os servos mais humildes de seu Pai comiam a melhor comida… Ele precisou perder tudo o que tinha, para lembrar que nunca lhe faltou nada na casa de seu Pai. Talvez lhe faltasse apenas a gratidão de ter um pai presente e amável.

Um belo dia, esse pai, como de costume, vai à frente de sua casa para ver se avista a volta de seu filho querido e, finalmente, o enxerga de longe! A reação do seu Pai poderia ser de um sentimento de raiva, sentimento injustiça que esse filho pródigo lhe fizera. Contudo, é a compaixão que toma conta do coração daquele pai e ele corre, abraça e beija o seu filho tão esperado. E o seu filho, arrependido, diz que quer ao menos ser recebido como servo de seu pai, mas este, profundamente feliz com o retorno de seu filho, diz a seus empregados que lhe vistam com roupas novas, coloquem nele um anel e sandálias, como forma de mostrar para seu filho que nunca perdera seu lugar naquela casa.

Assim é Deus conosco. Ele não nos nega o poder de decidir seguir ou não os seus caminhos. Mas o Senhor também nunca desejou que saíssemos de sua presença e espera ansiosamente para que todos os seus filhos voltem para Si, para que Ele possa lhes dar vestes novas, brancas como a alva; anel de ouro, sinal de autoridade; e sandálias, sinal de dignidade. Jesus nunca desistiu nem desistirá de você, Ele espera ansioso para que você volte à Sua Gloriosa Presença e seja feliz ao lado Dele. Jesus sabe em que caminho levam as paixões humanas e sabe que isso não é o melhor para você. Jesus sabe que o mundo pode até fazer você chorar, mas Ele sempre quer te ver sorrindo. Todavia, não é possível sorrir a não ser na presença do Pai! E Ele não quer você apenas na sua seara, mas quer ter a mesma intimidade de um pai com seu filho. Por isso ele lhe convida:

“Eis que estou à porta e bato,
se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta,
eu entrarei e cearei com
ele e ele Comigo” (Ap 3:20).

Na época de Jesus, as pessoas só convidavam para jantar com elas aquelas pessoas em que confiavam e tinham verdadeira estima. Portanto, jantar significa intimidade. Pais jantam com seus filhos, pais têm intimidade, confiança e estima pelos seus filhos e estes para com os pais.

O Pai não quer que apenas uns de seus filhos estejam à sua mesa, ele quer a família toda. Veja porque aquele pai da parábola só esteve verdadeiramente feliz quando seu filho perdido voltou à sua casa! É por isso que em outra parábola, Jesus diz:

“Então vá pelas estradas e pelos caminhose obrigue os que você encontrar ali a virem, afim de que a minha casa fique cheia.” Lucas 14-23

Deus não quer a sua casa vazia, ele quer todos os seus filhos perto dele! Todos, tanto os que sempre estiveram com Ele como os pródigos, os perdidos… Que todos nós possamos aceitar ao convite de Cristo, de participarmos da festa do Jantar do Senhor, e comermos à sua mesa e vivermos sobre a alegria de sua presença.

Deus é pai que não obriga, mas que também não isenta dos seus filhos as conseqüências de suas escolhas. Deus é pai que entrega o que é nosso e nos deixa livres, mas com a esperança de que as conseqüências de nossas más escolhas nos façam lembrar Dele, para que Ele possa nos entregar a Salvação e a restituição de tudo o que nos foi roubado! O pai que ama a seu filho não o prende, o deixa livre. Todo pai que ama o seu filho não impõe seus ensinamentos, mas conscientiza os seus filhos do que é realmente bom.

Todo pai que ama ao seu filho o castiga no sentido de fazer ele se arrepender, e não no sentido de se vingar, fazendo com que ele se frustre porque não ouviu os conselhos que deu. Porque Jesus não age com vaidade, ele age com amor e justiça. O que seria um pai agir com vaidade? Muitos pais castigam seus filhos pelo simples fato de  terem sido contrariados. Ressalte-se que a ira dos homens não traz o que Deus aprova. O Pai não age com vaidade, tudo o que ele diz e faz tem uma razão de ser, porque a tristeza causada por Deus leva a vida, a causada pelo mundo e pela vaidade das pessoas leva à morte. Jesus corrige para educar, não para se vingar.

O resultado da disciplina dada por Deus é o verdadeiro aprendizado, para que cheguemos à estatura de Cristo. Deus é aquele que não despreza um coração arrependido, mas que faz uma festa juntamente com seus anjos, quando seus amados filhos retornam a Ele.

Talvez você, que está lendo esta reflexão sobre um tema bíblico muito falado, está longe da casa do Pai. Talvez você, que está lendo este texto, não está desviado mas está no deserto espiritual. Quem sabe até você está seguro de sua posição em Deus, mas tem desejado “beliscar” as “aventuras do mundo”. Pode ser que você não esteja nem “quente” (avivado) nem frio (sem fé), esteja morno.

E eu vim dizer, segundo a Palavra do Senhor, que não importa quantas vezes você ouviu a história do Filho Pródigo, importa quantas vezes você se esforça para se aproximar cada vez mais e mais do seu Pai na tentação, na adversidade, na tribulação e até na alegria! Importa que você, que está desviado, saiba que Jesus jamais desistirá de você e que o aceitará de volta, por isso arrependa-se dos seus maus caminhos e volte-se para o Senhor… “Buscai o Senhor enquanto se pode achá-lo”.

Talvez você conheça um filho pródigo. Se sim, não seja como aquele filho mais velho que não aceitou o seu irmão, mas vá você mesmo atrás dos seus irmãos que se foram e leve-os de volta para os braços do Pai, de onde eles nunca deveriam ter saído! E você completará a alegria de seu Pai, e se alegrará com a vida nova de seus irmãos. Isso se chama evangelização, que é resgatar as almas através a mensagem da salvação, que tem como base o arrependimento dos pecados!

Você aceita fazer uma festa no céu, ao trazer os perdidos para a presença do Senhor e jantar na comunhão dos irmãos na presença de Deus? Então vá, pois o Espírito do Deus Vivo está contigo!

CategoriasDevocional

Adoração: Um Projeto Pessoal ou uma Pessoa no Projeto?

Olá Personas,

Mais um artigo disponibilizado pelo Ronaldo Bezerra via Newsletter. Mais uma vez compartilhamos com todos os interessados.

Para acessar os demais artigos escrito pelo Pr. Ronaldo Bezerra, clique aqui.

Para acessar os demais guias para ministério/equipe de louvor, clique no link abaixo:

http://adoracaosemlimite.wordpress.com/ministerio-de-louvor/

Receba nossas atualizações através do Twitter (@AdoraSemLimite) ou por email através da opção “Inscreva seu Email”, no canto superior direito.

Leia o artigo por completo e seja edificado:

Leia mais…

Silêncio

Silêncio

“Para tudo há uma ocasião certa; 

há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu:

Tempo de calar e tempo de falar.” (Ec 3:7).

Uma das coisas mais sábias da vida é reconhecer que a interpretação das coisas é tão subjetiva que, antes de dizer que algo é isto ou aquilo, devemos refletir se o que entendemos é realmente aquilo que a pessoa quis dizer ou fazer.

Tudo na vida é muito subjetivo, generalizações possuem exceções, sempre.

“Toda generalização é falsa, inclusive esta”

(Filósofo Huberto Rodhen). 

E uma coisa importantíssima que temos que aprender é que escutar nem sempre significa aceitar o que se está sendo dito e que o silêncio nunca significou “sim” ou “não”, silêncio é silêncio.

Existe uma grande diferença entre “Entender” e “Compreender”. Entender se faz ao escutar, mas compreender é mais que isso, é aceitar ou se colocar no lugar do outro por já ter passado pelo mesmo ou se imaginar como.

Uma pessoa não pode ser julgada por causa de um silêncio, pois uma pessoa só pode responder pelo que faz e pelo que diz e se o que deixou de fazer ou dizer for omissão ou negligência.

Silenciar é diferente.

Leia mais…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 835 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: